.

.

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Afilhado político de Ricardo Murad e ex-secretário adjunto de Educação de Coroatá é condenado pelo TCU a devolver R$1 milhão

Do blog de Cesar Bello, com modificações
O afilhado de Ricardo Murad ao lado de Roseana Sarney
Caio Hostílio, que é atualmente um dos principais defensores do governo de Roseana Sarney na blogosfera maranhense, é carioca de nascimento e morador de Brasília - DF por longos quarenta anos, filho de militar aportou pelo Maranhão no final da década de 90, sendo logo adotado politicamente por Ricardo Murad, que o presenteou com direção do antigo Jornal "Metendo o Betelho" e mais recentemente com sociedade no também falido Jornal Veja Agora (já após a derrota dos Murad em Coroatá).

Durante o segundo mandato do engenheiro Rômulo Augusto, seu sobrinho de Ricardo Murad (entre os anos 2001/2004), Hostíllio foi "nomeado" secretário-adjunto de Educação do município de Coroatá. Hostíllio hoje é conhecido por, assim como seu padrinho, usar os meios de comunicação para condenar "a tudo e a todos" (hipócritas, salafrários e corruptos são alguns dos termos que costuma usar).

Alguns coroataenses ainda devem lembrar desta figura nos corredores do Palácio Vitor Trovão, sede do nosso governo (até ser desativado recentemente pela atual prefeita Teresa Murad). Mas o que poucos sabem (até aquele que desconhecem sua existência ou relação com este município) é que recentemente Hostíllo foi condenado pelo Tribunal de Contas da União - TCU por suas práticas administrativas à frente da secretaria municipal de Educação de Coroatá entre os meses de janeiro a abril de 2001.

Vejam bem as práticas imorais do pupilo do chefe político do município durante o período em que esteve no cargo, pois mesmo ocupando a secretaria-adjunta foi contratado pela Prefeitura Municipal de Coroatá para executar serviços de consultoria para mesmo órgão. É mole? Mas não pára por aí. De "lambuja" ainda era consultor da empresa e ONG que prestavam serviços para a prefeitura no mesmo período "sem a devida caracterização de inexigibilidade de licitação", foi o que constatou o TCU. 

À época Caio Hostíllio estava com a bola toda. Batia o escanteio, cabeceava e agarrava a bola no gol.

Este jogo de esperteza do afilhado, certamente orientado de perto pelo seu padrinho Ricardo Murad, valeu recentemente a condenação do TCU contra ele, face ao exercício do cargo de Secretário de Educação Adjunto, em Coroatá (gestão Rômulo Trovão, sobrinho de Teresa Murad, esposa de Ricardo Murad).

Para ler a decisão e a análise completa dos fatos visite o blogue de Cesar Bello, clicando aqui.