.

.

terça-feira, 11 de junho de 2013

Câmara aprova, em primeiro turno, novo dia e horário para as sessões ordinárias

Para o líder da oposição mudança é prejudicial ao parlamento
A Sessão Extraordinária da Câmara Municipal realizada nesta terça-feira (11), embora não tenha sido transmitida pelo rádio, não perdeu em nada às demais pelos ânimos alterados que são costumeiros.

A sessão presidida por Josean Veras (PSC) contou com as presenças dos vereadores governistas Riba Maia (PSC), Leon Camilo (DEM), Marcos Machado (DEM), Wllisses Muniz (PMDB) e Júnior Buhatem (PMDB), dos oposicionistas Raimundo Diôgo (PT) Cássio Reis (PSDB), Jucelino Araújo (PT), Marcelo Moura (PTC) e Lourdinha Pereira (PCdoB) e ainda do “indeciso” Dr. Naldo (PSDB).

A calorosa discussão do Projeto de Resolução da Mesa Diretora propondo a mudança em dia e horário das próximas sessões ordinárias durou quase duas horas, tendo início com o discurso do líder do bloco de oposição, Raimundo Diôgo. O petista usou a tribuna para exigir que o projeto de resolução em questão obedeça todos os tramites legais exigidos para a aprovação daquela matéria e demonstrou preocupação com a mudança proposta.

“O novo horário para a realização das sessões desta Casa prejudicará a transmissão simultânea pela Rádio Educativa FM”, disse Diôgo. Assim como o líder do bloco os vereadores Jucelino Araújo, Marcelo Moura e Cássio Reis demonstraram preocupação com a realização das sessões a partir das 17h, alegando que a apresentação dos programas A Voz do Pastor e A Voz do Brasil em horários fixos inviabilizam a sua transmissão.

O vereador Cássio Reis em seus discurso classificou o projeto como perigoso, pois em sua opinião a mudança proposta sairá prejudicando algum parlamentar, disse referindo-se ao colega de parlamento Marcelo Moura que cursa Direito em Caxias – MA (e viaja início da tarde para as aulas que ocorrem a noite) e Wllisses Muniz, funcionário do Banco da Amazônia (Manhã).

A vereadora Lourdinha Pereira demonstrou contrária a qualquer mudança, pois para ela a população coroataense já se habituou com o atual horário de realização das reuniões semanais do parlamento e que tal mudança prejudicará o acompanhamento das atividades parlamentares pelos cidadão coroataenses.

A sessão foi marcada por intenso diálogo e discussão entre os parlamentares do mesmo bloco ou blocos distintos, o que não foi o suficiente para a construção de um consenso. Inicialmente parecia que um os parlamentares havia chegado a um acordo pela antecipação do horário de realização das sessões, a partir das 16h, mas em seguida o líder de oposição, Raimundo Diôgo, apresentou uma outra proposta de horário, às 19h30min.

A oposição alega que com o início da sessão às 19h30min possibilitaria sua transmissão a partir das 20h, ao término de A Voz do Brasil. O presidente em exercício Josean Veras suspendeu a sessão por alguns minutos objetivando a construção de um acordo entre os blocos, o que não foi possível, portanto ambas as propostas foram colocadas em votação.

A bancada governista seguiu fielmente a orientação do seu líder, Junior Buhatem, e votou pela realização das sessões a partir das 16h. A oposição com igual número de parlamentares presentes teve a oportunidade de empatar a votação seguindo a orientação do seu líder. Raimundo Diôgo, votando pelas 19h (mesmo sabendo que o presidente teria o voto do desempate), mas a vereadora Lourdinha Pereira preferiu contrariar os colegas de bancada e manifestar-se contrárias as duas propostas apresentadas (o que não favorecia nenhuma das partes), dando a vitória antecipada aos vereadores governistas, o que causou indignação entre os oposicionistas.

Mas esta foi apenas a primeira votação pois o Regimento Interno da Câmara determina que esta matéria seja discutida em dois turnos com interstício mínimo de 48h, portanto a proposta será rediscutida na sessão ordinária desta sexta-feira (14) e deverá apenas reafirmar a vitória impingida no dia de hoje pelo Bloco Governistas, embora parlamentares (de ambos os blocos) acreditem que ainda poderá ocorrer alguma mudança.