.

.

segunda-feira, 30 de junho de 2014

Opinião - Legado

Qual o legado que este homem deixa para o país em 50 anos de vida pública?
Por Císio Janus

Estive pensando estes dias o que poderia escrever para nossos leitores de forma construtiva, neste período tão festivo em que vive nosso país, e fiquei alegre quando um conterrâneo maranhense forneceu-me o combustível que precisava para o texto da semana, falo do nosso "glorioso" e "onipresente" da política brasileira José Sarney.

Andei pesquisando sobre essa palavra tão utilizada nestes últimos tempos principalmente no Brasil, o que seria realmente o significado da palavra legado e eis alguns conceitos encontrado:

O que é legado?

Legado é uma disposição feita em um testamento para benefício de outra pessoa, é deixar algo, de valor ou não, para outra pessoa, e vem do latim, legatus. Legado também é alguém que vai para uma missão especial, para representar o papa.

Um legado pode ser constituído por alguma coisa imaterial. O Império Romano, por exemplo, deixou um forte legado cultural, linguístico que ainda se verifica em muitas sociedades hoje em dia. Outro exemplo de um legado imaterial é o legado intelectual deixado por vários filósofos e pensadores do passado.

Legado também é quando o governo de um país se junta a outro, para uma determinada missão, é uma tarefa de caráter temporário, em caráter extraordinário.

Em meados dos anos 90, aproximadamente entre 1995 e 1996, conheci um marinheiro na região metropolitana da cidade magnifica de Recife - PE, chamada de Rio Doce, uma família de uma amiga muito querida, no qual contou-me um acontecimento único: eles presenciaram uma cena inusitada em um fim de tarde, próximo a praia de Angra dos Reis localizada no Rio de Janeiro, estavam observando pelo binóculos as vistas maravilhosa do lugar quando se deparam com uma pessoa correndo pelas areias da praia, somente de calção, e um dos filhos deste inusitado marinheiro disse: "Paiiiiiii, veja, veja é o Ayrton Senna correndo na praia, veja, veja". O pai ficou sem acreditar, tomou o binóculos da mãos do filho e observou e teve a certeza, era realmente Ayrton Senna do Brasil, imediatamente desceu do navio, entrou na lancha menor e foi a baia de Angra dos Reis com toda a família e disse: "Senna, desacelera para tirarmos uma foto", e, para sua surpresa, Ayrton pediu que eles viesse e tirassem ao seu lado a foto, segurou as crianças pelas mão, cada uma de lado e os pais atrás se agachou e tirou a foto. Particularmente achei que era apenas história de pescador ou melhor de marinheiro, mas quando foi minha surpresa quando, o caro colega, veio com um quadro e ali estava exatamente a foto emblemática daquele encontro inusitado em um fim de tarde de Angra dos Reis, e este conclui que nunca havia conhecido alguém mais humilde em minha vida, simples e humano.

Essa história sempre faz-me pensar em que legados deixamos em nossa vida enquanto estamos aqui no plano terrestre. Será que sairemos ilesos da história vivida por cada um? Ou sairemos com nossas deficiências humanas expostas de forma clara e evidente? Como um câncer que chegou em um estado terminal? Termos um legado de vitórias, de lutas, de perdas, mas de aprendizados para nossa vida e futuras gerações. É uma responsabilidade única que temos que sempre está atento, pois sairemos dessa vida com uma imagem linda, de admiração, ou uma imagem cheia de nevoeiros, sombria e deletada pela humanidade de um ser sem nenhum valor?

A Copa do Mundo tem seus legados, bons e ruins, bons no sentido de ser um divertimento único para os amantes do futebol, da congratulações dos povos, dos intercâmbios culturais, dos crescimento da economia interna das cidades sedes, mas também deixa um legado de vergonha para nós brasileiros, quando R$ 21 mil, são gastos em centros de treinamentos que ficaram ociosos depois da copa da arena Amazonas e não serviram para nada depois disso, pois nenhum time do Amazonas tem condições de manter essa estrutura. Vamos fazer mais uma vez uma análise dos gastos colossais do legado que a copa deixa para o país do futebol:

Os gastos federais foram na ordem de R$ 371 mil na área de telecomunicações, os maiores investimentos foram em São Paulo na ordem de R$ 4,9 bilhões até março deste ano que alavancou para R$ 6,2 bilhões; Natal/RN teve seus gastos de R$ 1 bi, passarem para 1,7 bi; Curitiba de R$ 318 mi, para R$ 863 mi, na área de mobilidade urbana passou de R$ 10,9 bi, para 12 bi. Os governos locais, ou seja, dos estados das cidades sedes financiaram 25,8% de todos os gastos com a Copa do Mundo da "grande mãe FIFA", mas, se indagarmos ao senhor-todo-poderoso Joseph Blatter, presidente desta entidade, de quem foi a ideia de para que houvessem 12 sedes nesta copa de valor colossal ele, com certeza, ele responderá que foi o (ex-)presidente magnânimo Luís Inácio Lula da Silva. "Foi dele", ele sentenciará.

Legados são vistos de forma positiva quando temos uma visão real de benesses para o meio em que se vive, futuras gerações, e, principalmente, para o crescimento de um país, estado ou nação, diria que esses gastos relatados acima deixaram em nossa conta toda a responsabilidade, não de comemorar, mas de chorar brevemente.

Quase falho no esquecer de enaltecer a pessoa do senhor José Sarney, que fez o maior ato político da história deste país chamado Brasil quando enviou através de sua assessoria de imprensa um comunicado esta semana anunciando a sua desistência das disputas eleitorais de forma definitiva (sic), creio que todos os brasileiros, sorriram, vibraram como em um gollllllllllllllllllllll da nossa seleção em uma final de Copa do Mundo. Diria que esse foi um dos maiores legados deixados nessa copa: as resistências que, de forma responsável, foi às ruas pedir mudança, que culminaram na reprovação não só de José Sarney quando esteve esta semana no Amapá com a presidente Dilma para inaugurar as casas populares e teve de ouvir por 5 (cinco), eu disse 5 (cinco), vezes consecutivas vaias quando se falava ao microfone no nome dele que, aliás, é senador por aquele estado.

Caros leitores, legados são deixados de forma positiva e negativas, diferentemente de Ayrton Senna da Silva do Brasil, o maior mito do esporte brasileiro de todos os tempos, que deixou respeito, admiração, integridade, amor ao próximo, o senhor José Sarney, deixa a vida eleitoral de forma melancólica, catastrófica, onde o maior legado são VAIASSSS e SUSSUROS DE FORA DITADURA, FORA HIPOCRISIA, FORA SENHOR FEUDAL. Nós maranhenses agradecemos aos nossos irmãos do Amapá por esta resposta viva de democracia e pedido de mudança. Ser ícone na história talvez não seja o meu ou o seu legado, mas temos a convicção de que, maior que ser um ícone que ultrapassou décadas com glórias, será deixar muito mais que brilho passageiro de fama efêmera, mas um legado de honra e lutas por uma sociedade melhor de se viver. Temos o livre arbítrio de escolhermos em que direção seguir, cabe a cada um olhar de forma ampla para sua vida todos os dias quando se observarem além do espelho de suas casas e perguntarem a si mesmo: QUAL O LEGADO QUE VOU DEIXAR?

Boa semana a todos.

Nota do editor - Aproveite esta oportunidade para assistir ao documentário "Sobrenome Maranhão" e tire suas próprias conclusões acerca do legado deixado pela última oligarquia política brasileira para o nosso estado, confira: