.

.

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Certidão da CGU desmente acusações do grupo Sarney contra Flávio Dino



A Controladoria Geral da União certificou, na tarde desta terça-feira (18), que não há qualquer registro de imputação de improbidade ou corrupção relacionados à gestão de Flávio Dino na presidência da Embratur. O órgão de controle das contas federais desmonta o roteiro montado pelo grupo Sarney para tentar macular a imagem de Flávio Dino no Maranhão.

A certidão emitida pela CGU desfaz todas as tentativas de acusação contra Flávio Dino impetradas pelo jornal O Estado do Maranhão. O relatório diz que “NÃO CONSTA, em Relatórios de auditoria, fiscalizações, processos disciplinares ou quaisquer outros procedimentos da Controladoria-Geral da União, qualquer imputação de corrupção ou improbidade ao Senhor FLÁVIO DINO DE CASTRO DE COSTA no período em que exerceu o cargo de presidente da EMBRATUR”.

“A certidão emitida pela CGU ratifica a seriedade e o compromisso do presidente da EMBRATUR, Flavio Dino, com o bem público. O jogo baixo e rasteiro feito pelos meios de comunicação ligados ao grupo Sarney foram, mais uma vez, desmascarados. É preciso que a população maranhense fique atenta às mentiras e ao jogo sujo praticado por aqueles que, há quase 50 anos, dominam nosso estado”, afirmou Simplício Araújo (Solidariedade/MA).

Desde o último domingo (16), os meios de comunicação ligados ao grupo Sarney afirmam que, segundo a CGU, Flávio Dino teria causado prejuízos ao erário. A acusação do jornal baseava-se no relatório da Controladoria-Geral da União relacionadas à Embratur em 2012, mas a certidão do CGU diz exatamente o contrário.

O relatório opinava pela aprovação das contas da Embratur sob gestão de Flávio Dino, mas afirmava que havia uma ressalva a respeito de um contrato assinado em 2009, foi anos antes de Dino assumir a presidência da Embratur, quando Flávio Dino ainda era deputado federal.

Ainda no domingo, a Embratur emitiu nota de esclarecimento ao referido jornal, afirmando que as informações questionadas pela CGU já haviam sido fornecidas ao órgão e explicando que, após assumir o comando da Embratur, Flávio Dino diminuiu o valor dos gastos com informática em 50% (referente ao contrato questionado pela CGU).

Ou seja, além de não ter assinado o contrato divulgado pelo jornal O Estado do Maranhão, Flávio Dino ainda diminuiu o contrato em quase metade do valor inicial. O jornal afirmou ainda que a gestão de Flávio Dino era marcada por “desvios”. Contudo, a certidão da Controladoria Geral da União desfaz as acusações levantadas pelo jornal da família Sarney.