.

.

terça-feira, 22 de outubro de 2013

SINPROESEMMA, que não foge à luta, realiza primeira paralisação em favor dos educadores coroataenses

Conforme anunciou a delegacia coroataense do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Maranhão - SINPROESEMMA, esta terça-feira, 22, está sendo marcada pela primeira paralisação das atividades educacionais no município de Coroatá convocadas pela categoria organizada.

Segundo o sindicato esta primeira paralisação é apenas uma "advertência" a administração municipal contra o descumprimento dos prazos e formas de pagamentos dos retroativos de reajustes, titulações e promoções, mas que voltará ocorrer nos próximos dias se as reivindicações não forem atendidas.

Durante o dia de paralisação o SINPROESEMMA aproveitou para realizar uma passeata pelas ruas de Coroatá para chamar a atenção da população para a sua luta legítima, mesmo com um número reduzido de educadores que aderiram ao ato. Infelizmente, mesmo após a efetivação dos professores após a realização de concurso público, muitos ainda se acovardam diante do desrespeito aos seus direitos pela Prefeitura Municipal.

O ato que saiu da sede do sindicato, passou pela sede do governo municipal e fez uma última parada no Ministério Público Estadual, onde em audiência com o promotor Luís Samarone Barbosa Carvalho obtiveram o compromisso deste em convocar a audiência pública da educação para o dia 26 do próximo mês.

Em conversa com a nossa reportagem por telefone o coordenador local SINPROESEMMA, Celso Soares, disse que o governo municipal tentou de diversas formas protelar a realização do ato, inclusive convocando treinamento dos professores que integrarão o Pacto Nacional pela Educação na Idade Certa - PNEIC para a mesma data e divulgando uma nota do sindicato sob seu controle criminalizando a paralisação, mas que não foram suficiente para desestimulá-los.

"Partimos agora para articulação da categoria e organizações parceiras para a audiência que será convocada pelo MP", declarou Soares.