.

.

terça-feira, 23 de julho de 2013

Câmara se reúne hoje para votar doação do Centro Comunitário para a construção de presídio pelo Governo do Estado

Foto: Antonielson Sousa/Coroatá OnLine
A Câmara Municipal de Coroatá se reunirá extraordinariamente logo mais às 16:00h para votar dois projetos enviados às pressas pelo executivo municipal, ou seja pela prefeita Teresa Murad (PMDB). Para ilustrar a importância desta votação aos interesses desta administração basta dizer que o presidente da Câmara, César Trovão (PV), que também é irmão da prefeita, ligou pessoalmente para os seus companheiros de parlamento para reforçar a convocatória entregue nesta segunda-feira (22) nas residências dos parlamentares por um dos funcionários da Casa.

Nesta sessão, mais uma realizada às escondidas, o executivo buscará a reformulação da lei municipal que instituiu o Conselho Municipal de Assistência Social - CMAS. Porém, a discussão principal ficará em torno do polêmico projeto que, se aprovado pela maioria simples, doará o terreno e as atuais instalações do Centro Comunitário para o Governo do Estado do Maranhão, mas especificamente para a Secretaria de Estado de Segurança Púbica - SESP, para que sejam construídas as novas instalações da delegacia local e do que está sendo chamado de "mini-penitenciária".

Este é mais um absurdo que será cometido por esta administração raivosa que busca de todas as formas vingar-se da população coroataense pelos longos oito anos distantes do poder e pelas circunstâncias que os levaram a uma difícil (e cara) vitória em 2012. Afinal, qual seria outra justificativa para tamanha maldade com nossa gente? Pois desde que foi construído (em uma das administrações deste mesmo grupo político que ora se encontra de volta ao poder e planeja a sua destruição) o Centro Comunitário tem sido o único espaço público de lazer para os coroataenses.

Em mais esta atitude orquestrada pela mente doentia do seu esposo megalomaníaco, a prefeita Teresa Murad, demonstra a sua total ausência de preocupação com a população da cidade que governa e o completo desconhecimento das orientação para a construção de delegacias e presídios, pois as mesmas instruem que estes prédios sejam construídos distante dos centros urbanos. Sendo assim, reforçamos que a doação do nosso Centro Comunitário ocorrerá por pura maldade desta dupla, pois existem outras dezenas (ou talvez centenas) de terrenos que poderiam ser utilizados para esta finalidade, inclusive aquele mesmo onde funcionou a delegacia local até ser destruída superficialmente naquele início de rebelião do último mês de fevereiro.