..

..

quinta-feira, 30 de março de 2017

Enquanto grupo segue abandonado, Murad emprega dois fieis escudeiros na Assembleia

Feliciano e Elias foram os unicos lembrados por Murad.

Sumido e sem dar nenhuma assistência ao seu expressivo grupo político, Ricardo Murad escolheu apenas seus dois fieis escudeiros Feliciano Marques e Elias Moura para empregar na Assembleia Legislativa do Estado.

O ex-todo-poderoso secretário de infraestrutura e o ex-procurador-geral do município de Coroatá foram nomeados no diário oficial da Assembleia do dia 03 de janeiro, na função de Técnico Parlamentar Especial, com o símbolo Isolado. Esse é o maior salário de assessoria na Assembleia, onde cada um recebe mais de R$17 mil.

O mais estranho é que eles foram nomeados na mesa diretora e não dentro da quota de assessores do gabinete de Andrea Murad, muito provavelmente um acordo de bastidores da deputada com o presidente da casa, deputado Humberto Coutinho.

Para completar, até hoje, nenhum dos dois apareceu na Assembleia para dar um dia de expediente sequer.



A nomeação seria um prêmio de consolação pela grande obediência ao chefe. Dentre as tantas ordens cumpridas, para relembrar, os dois tiveram que passar pelo vexame de tentar embargar o asfaltamento do Governo Flávio Dino no Bairro da União. E lá foram passar vergonha.

ALIADOS



O ex-líder do governo na Câmara, Riba Maia, que não conseguiu se reeleger por falta de apoio político, só conseguiu se encaixar na Prefeitura de São Mateus pela grande amizade particular com o prefeito Miltinho Aragão (PSB).

Até a ex-vice-prefeita e ex-secretária Neuza Muniz teve que movimentar sozinha para conseguir um emprego. Através das suas andanças conseguiu vaga na Prefeitura de Vargem Grande.

Enquanto isso, dezenas de amigos próximos do clã estão desempregados e sem assistência política. Muitos até reclamam que Ricardo poderia encaixá-los em prefeituras comandadas por aliados, mas ele não fez nenhum gesto nesse sentido.

RICARDO E COROATÁ

Após as eleições de outubro de 2016, onde sofreram uma derrota fragorosa em Coroatá, os Murad não pisaram mais na cidade. Isso por não terem digerido ainda a vitória acachapante de Luís da Amovelar.

Ricardo não atende ligações, não responde mensagens e simplesmente mergulhou em um período em São Paulo sem sequer ter agradecido aos aliados da linha frente pelos 14.718 votos dados à sua esposa Teresa. Para se ter uma ideia, nem seus atuais oito vereadores foram parabenizados pela eleição.

Pelo visto, apenas Feliciano e Elias serão os únicos jacarés beneficiados nesse período de pouca água na lagoa.

Nomeação no diario oficial da Assembléia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário