..

..

sábado, 19 de março de 2016

Desconstrução de mais um factoide criado para atingir a coordenadora de enfermagem Tatiana Vasconcelos

A respeito de divulgação de outros documentos em páginas da internet que expões informações inverídicas acerca de pagamento de plantões do setor de enfermagem do Hospital Macrorregional de Coroatá, o vereador Cássio Reis procurado por nossa reportagem relembrou que em seu discurso na Câmara Municipal algumas sessões atrás no qual desmontou a farsa orquestrada para atribuir a sua filha, a enfermeira Tássia Lanne, fatos que não condizem com a verdade através da apresentação de documentos fraudados usados maldosamente por blogs. No seu discurso naquela oportunidade o parlamentar mandou um recado dizendo que poderiam divulgar o restante dos documentos que a coordenadora de administração do Instituto Corpore que administra o Hospital Macrorregional de Coroatá, Karla Vieira, diz ter sido furtado em um pendrive que se encontrava sobre sua mesa em dezembro de 2015, conforme registrou em Boletim de Ocorrência na DEPOL, o mesmo boletim que depois apareceu juntamente com o documentos supostamente roubados.

A esposa do vereador Cássio e coordenadora de enfermagem do Hospital Macrorregional de Coroatá, Tatiana Vasconcelos, disse que cada dia fica ainda mais claro a perseguição direcionada a sua pessoa, pois entre os vários profissionais de enfermagem que cobrem faltas de outros profissionais, mas atentaram-se para divulgar apenas os nomes de pessoas ligadas ao seu esposo, como por exemplo, conforme pode ser visto na imagem o nome do enfermeiro Ricardo, mas não o nome de profissionais ligados a outros políticos locais. Segundo ela outro fato que demonstra a fragilidade dos documentos apresentados desta vez no blog do Neto Ferreira é ausência de assinatura autorizadora do administrador do Instituto ato obrigatório para que seja encaminhado para o setor responsável pelo pagamento.

“O pagamento de plantões extras para que profissionais cobrissem as lacunas nas escalas dos profissionais que deixaram a unidade foi uma prática legal em qualquer unidade hospitalar necessária que ocorreu até outubro do ano passado, porém atualmente o instituto que administra o Hospital Macrorregional de Coroatá adotou outras medidas para suprir essas carências de profissionais, sendo compensado com uma folga aquele que cobrir um plantão, ainda assim para este processo a autorização do administrador do Instituto é obrigatório pois eu não tenho esse poder mesmo sendo a coordenadora”, declarou.

Na matéria em questão outra imagem demonstra que informações foram criadas com a intenção de demonstrar inverdades, mas se preocupar com a coerência que tentam apontar para uma suposta irregularidade conduzida pela enfermeira Tatiana ao colocar na mesma tabela que não é padrão do Instituto nomes de profissionais que estão sob coordenações que não estão de sua responsabilidade, tais como assistente social, recepcionista e da coordenadora de atendimento.

“Mais uma vez mostram-se matérias falsas e maldosas no intuito de distorcer o nosso trabalho, pois este trabalho tem incomodado essas pessoas que ocupam seu tempo criando mentiras infundadas, mas um dia cansarão”, disse a coordenadora Tatiana Vasconcelos que finalizou dizendo que estar pronta para rebater as próximas mentiras que vierem com objetivo de macular a sua imagem e do seu trabalho.
Ajuste de ponto não contém assinatura autorizadora do administrador do Instituto, o que obrigatoriamente deverá ocorrer no mínimo em 24hs antes do plantão, conforme apontam os círculos em vermelho.

Documento não oficial, pois não padrão utilizado pelo instituto para informar a ocorrência de plantões extras, encontram-se também na tabela acima nomes de profissionais de setores que não estão sob o comando da Coordenação de Enfermagem, assim como mostra a seta em vermelho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário