..

..

terça-feira, 1 de março de 2016

Blogueiro de Murad deixa rastro de suposta alterações em documentos para tentar incriminar mãe e filha

Tatiana e Tássia Lane Vasconcelos
Após as publicações em blogs ligados ao ex-secretário de saúde Ricardo Murad na semana passada de notícias caluniosas nas quais foi insinuado que a enfermeira Tassia Vasconcelos filha do principal opositor ao grupo Murad, o vereador Cássio Reis (PSDB) e da coordenadora de enfermagem do Hospital Macrorregional de Coroatá, Tatiana Peixoto Vasconcelos, a nossa reportagem procurou os envolvidos para que pudessem falar sobre o assunto.

Em documentos que se encontram em posse da enfermeira Tassia Lanne Vasconcelos nos quais este blog teve acesso com exclusividade, mas que não publicará no momento a pedido da profissional já orientada pelo advogado contratado, após análise é possível verificar que em comparação aqueles que foram publicados pelas páginas dos aliados dos Murads há indícios de alterações nas escalas, insinuando que a mesma teria recebido sem que tivesse prestado serviço daquela unidade de saúde.

A enfermeira afirma que prestou serviço naquela unidade de saúde e que buscará que as pessoas responsáveis pelas calúnias feitas a ela e a sua mãe sejam penalizadas no rigor da lei, tendo portanto recebido em outubro seus últimos vencimentos, quando precisou se afastar por não haver condições de conciliação de sua escala com a exercida em Presidente Juscelino passando a trabalhar logo em seguida na Central Interna de Leitos (CIL) em São Luís, o que lhe oportunizou mais proximidade dos locais de trabalho, quando uma colega de profissão que trabalhava na função por ela assumida passou a trabalhar no Hospital Macrorregional de Coroatá.

Na oportunidade também conversamos com a coordenadora que relatou que se encontra tranquila e consciente de que os factoides espalhados irresponsavelmente ao seu respeito não passam de tentativas em atingi-la o seu esposo, o vereador Cássio Reis, e ao governo do estado, mas que os mesmos serão esclarecido, fato este que tornou-se ainda evidente quando passou-se a ventilar a enfermeira assumiria a direção administrativa da unidade que se encontra em vacância, sendo que a mesma nunca foi informada oficialmente, portanto não passou de especulações.

“Sabendo da responsabilidade do nosso governador e jamais tomaria qualquer atitude que viesse atingir a sua gestão e também a mim”, declarou a nossa reportagem. Após indagação de como surgiram os boatos a enfermeira iniciou dizendo que acredita que ocorreram quando uma funcionária da área administrativa do Instituto Corpore, a senhora Karla Vieira, reclamou de sumiço de uma pasta série de documentos. Seriam estes mesmo documentos que estariam sendo divulgados nos últimos dias após supostamente sofrer alterações em seu conteúdo, conforme afirmou.

Além dos documentos que sumiram misteriosamente para reaparecer juntamente como boletim de ocorrência que foi registrado para justificar o sumiço dos documentos em recentes publicações dos blog dos Murad, informações de conhecimento restrito da administração do Instituto naquela unidade quase que ao mesmo tempo estavam sendo publicadas de forma distorcida  em redes sociais, sendo solicitada por escrito pela enfermeira Tatiana Vasconcelos a investigação dos fatos, mas que até o momento apenas aguarda resposta. Além das providências administrativas, a enfermeira afirma que também estar tomando providências jurídicas na intenção de responsabilizar os envolvidos com base em evidências concretas que se encontra em conhecimento da DEPOL do município.

Acompanhe abaixo evidências que apontam manipulação das imagens publicadas nos blogs dos aliados de Murad. Casa de pai escola de filho.


A imagem tenta mostrar que a data da configuração da impressora como sendo o mês que a enfermeira teria recebido sem trabalhar, mas o valor corresponde ao pagamento aos dias trabalhados no mês de julho que podem ser comprovados através de documentos que se encontram em suas mãos e de conhecimento deste blog (veja seta), usando ainda as iniciais do seu blog para cobrir informações que apontam para o mês referente aos proventos recebidos (julho).


Mês de agosto - Na imagem acima as setas inseridas por este blog apontam a logomarca do governo do Maranhão e do Hospital Macrorregional como xerox, quando na escala original a logomarca do Instituto Corpore já figurava em todas as escalas produzidas, portanto sendo o cabeçalho extraído da escala do mês  anterior (julho). A terceira seta, mais abaixo, aponta funcionário que não estaria mais na escala supostamente mostrada (agosto) e a última deixa visível que o blogueiro usou programa de edição de imagem para realizar corte e colagem na mesma.   


Escala de setembro - Observe que nesta imagem as duas logomarcas também foram produzidas através de xerox (duas setas acima), quando retiram o nome da enfermeira Tássia Lane, conforme aponta a terceira seta, induzindo o leitor a acreditar que a mesma embora não tenha trabalhado recebeu o mês de outubro. A última seta mais uma vez comprova que houve corte na imagem produzida. 

Escala de outubro - Nesta última após o desligamento da enfermeira Tássia Lane, quando esta já não mais figurava na escala, utilizam-se um da escala original e não mais xerox como nas demonstradas anteriormente. Este blog comprovou através de acesso a documentos que se encontram em posse da enfermeira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário