.

.

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

“O problema do estado é a família Sarney, que não mancha apenas o nome do Maranhão, mancha o nome do Brasil”



O presidente do Solidariedade no Maranhão, deputado Simplício Araújo, subiu à tribuna nesta terça-feira (4) para, mais uma vez, alertar para o clima de insegurança que vive o país, e, especialmente, o Maranhão. O parlamentar culpou o governo estadual pela crise no sistema penitenciário e cobrou medidas efetivas para resolver a situação crítica de insegurança no estado. “O problema do estado é a família Sarney, que não mancha apenas o nome do Maranhão, mancha o nome do Brasil”, afirmou.

Durante o pronunciamento, o parlamentar lembrou dos últimos acontecimentos em São Luís, que culminaram com a destruição da família de uma criança incendiada dentro de um ônibus no início deste ano, e voltou a condenar a governadora Roseana Sarney pela a ausência de gestão. “Infelizmente é um atraso para o Maranhão e para todo o país.”

Segundo o deputado, a barbaridade poderia ter sido evitada, já que, em outubro do ano passado, ele solicitou ao ministro da Justiça explicações sobre todos os repasses feitos pelo ministério ao governo. “O ministro me telefonou e, àquela época, já estava demonstrando que o governo federal não mediria esforços para ajudar o Maranhão a conter a violência. Porém, em uma atitude inexplicável, a governadora recusou auxílio”, lamentou.

Simplício lembrou ainda que Sarney foi à imprensa dizer que no Maranhão a violência só acontecia nos presídios. E, logo em seguida, aconteceu essa barbaridade. “Os presidiários autorizaram que os seus comparsas fossem às ruas tocar fogo em vários ônibus.”

“Quem paga essa conta é o povo brasileiro. É este governo incompetente que na última eleição se agarrou na barra da saia da presidente Dilma. Vamos monitorar qual presidenciável vai buscar aliança com o atraso e a incompetência que hoje comandam o Maranhão. Nós no Maranhão precisamos dar voz à população. A população brasileira está atenta à classe política”, finalizou Simplício.

Reportagem: Letícia Bogéa