.

.

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Prefeita bota moral e não deixa Raimundo Lero discursar em Lago da Pedra

Raimundo doido pra soltar seus "Leros", mas Maura Jorge não deixou
Blog do John Cutrim.

Como divulgamos antes, a passagem do secretário de Infraestrutura e pré-candidato do grupo Sarney ao governo, Luis Fernando Silva, na cidade de Lago da Pedra não foi um mar de rosas. Um dos episódios que marcou o evento apático e que não empolgou a população, devido o caos instalado no governo Roseana Sarneye e o desgaste da oligarquia, foi o desentendimento entre a prefeita de Lago da Pedra, Maura Jorge e o deputado Raimundo Louro.

Quem relata toda a confusão é o jornalista Carlinhos, no seu blog. O blogueiro esteve presente no ato.

Segundo ele, Maura Jorge (DEM) organizou uma festa estrondosa para receber Luis Fernando no município. O palanque era imenso, digno de um grande carnaval montado na principal avenida da cidade. A prefeitura contratou paredões e a Banda Forró de Farra para animar a festa no intuito de atrair o povo. Tudo nos conformes.

Conta mais Carlinhos: Por volta das 17h00, estava no palanque Luís Fernando Silva, Hildo Rocha (secretário de Cidades e Desenvolvimento Urbano), Rodrigo Comerciário, prefeitos, deputados e lideranças políticas da região. A prefeita Maura Jorge, porém, era o destaque. O deputado Raimundo Louro queria discursar, mas foi acertado que nenhum deputado falaria no evento. Usaria o microfone apenas o vice-prefeito, a prefeita, Hildo e Luís Fernando. O vice-prefeito Laércio Arruda falou, cantou umas modas e foi bem aplaudido. Hildo fez seu pronunciamento e foi seguido por Luís Fernando. Após a fala do pré-candidato a governador, Maura Jorge se apossou do microfone e não quis largá-lo mais. Discursou demoradamente como se esperasse a chegada do genro, o deputado Neto Evangelista que ainda não tinha aportado no evento. A prefeita desfilou, fez caras e bocas, brincou com as autoridades e o público e, finalmente, quando Neto Evangelista foi anunciado, a prefeita entregou rápido o microfone nas mãos dele.

E não demorou muito tempo de discurso para o deputado Neto Evangelista mexer na ferida do velho tema da paternidade da criança da obra de pavimentação da MA-245 e tomar gosto, indiretamente, com o deputado Raimundo Louro que estava apenas há meio metro dele.

“Eu quero aproveitar essa ocasião para esclarecer uma inverdade dita ao meu respeito que eu votei contra essa estrada…” dizia Neto ao microfone.

Raimundo Louro mordeu o bigode e puxou a prefeita Maura Jorge pelo braço para tomar explicações dela.

“Eu quero saber se eu também vou discursar, porque estava combinado que nenhum deputado discursaria”, questionou Louro.

“Olha Raimundo Louro, eu te respeito, mas fica sabendo que aqui em Lago da Pedra quem manda é eu”, respondeu Maura Jorge, apontando o dedo na cara de Louro.

Interessante, essa discussão aconteceu nas costas de Neto Evangelista que discursava tranquilamente, mas será que alguém olhava para ele?

“Se eu não discursar, Maura Jorge, na hora que eu descer desse palco eu vou para televisão e vou arrebentar com vocês. É você que sabe,” ameaçou Raimundo Louro.

“Aqui você não discursa, aqui você não discursa, quem manda aqui sou eu”, respondia a prefeita de Lago da Pedra, Maura Jorge sempre gesticulando o dedo na altura do bigode de Louro. A discussão foi presenciada por todos, e chamou a atenção das autoridades que estavam no palco.

Raimundo Louro exigia o direito ao discurso, mas recebia um enérgico NÃO de Maura.

De repente, o parlamentar virou as costas a prefeita e se dirigiu ao fundo do palco. De lá chamou os filhos, Serapião, Vinicius Louro e Marcus. O deputado falava algo para os rebentos com a expressão desfigurada. Nesse momento, o secretário Hildo Rocha aproximou e interveio.

“Tenha paciência, Raimundo Louro, tenha paciência”, pediu Hildo, apaziguador.

E o discurso de Neto Evangelista continuava: “O pai da criança (pavimentação da MA-245) é o secretário Luís Fernando Silva”, afirmava o tucano fazendo papel de cabo eleitoral do candidato do grupo Sarney, apenas para ter o prazer de desprestigiar Raimundo Louro, querendo tirar a participação do colega na obra.

O clima no palco estava cada vez mais tenso; as autoridades presentes não desgrudavam os olhos de Raimundo Louro junto aos seus filhos. Estavam com dó deles. Maura Jorge sentiu o desgaste. O clima não estava saudável. A festa corria o risco de ficar estragada com a falta de cortesia.

Assim que terminou o discurso de Neto, seu genro, Maura pegou o microfone e chamou Raimundo Louro à frente.

“Olha, Raimundo Louro, eu peço desculpas por ter dito ‘que aqui quem manda é eu e que você não discursaria’, vou mostrar que sou diferente de você, e você pode discursar”, autorizou a prefeita, entregando o microfone nas mãos do deputado do Médio Mearim…

Raimundo Louro recebeu o microfone das mãos da prefeita e fez um discurso diferente do rotineiro. Para quem já assistiu vários discursos do parlamentar, sempre calmo, cerebral, sem rompantes, percebeu logo que ele estava visivelmente emocionado. Discursou aos berros, mas sem agredir ninguém e acabou fechando a noite como o último orador.

No final, a turma do “deixa-disso” entrou em campo e acalmou o clima tenso entre ambos.